segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

O Que mais vi na Vida foram Milagres do Johrei


"O QUE MAIS VI NA VIDA FORAM MILAGRES DO JOHREI!”

Na galeria de pioneiros da IMMB, destaca-se o trabalho missionário da Ministra Titohi Ogata Taniguchi, responsável pela edificação da Igreja Tatuapé, no bairro homônimo de São Paulo. Aos 81anos, aposentada, mas muito ativa, ela relembra como tudo começou, com a alegria de ver que o alicerce que embasa uma igreja, uma Casa de Difusão, 14 Casas de Johrei e 7.171 membros foram sedimentados nos milagres do johrei.

Sempre me perguntam como nasceu a Igreja Tatuapé. Hoje ela é bonita, tem muitos membros!... Mas as pessoas nem imaginam como tudo começou. Certo dia, numa praça perto da minha casa, viu um amontoado de gente olhando alguma coisa. Fui ver o que era. Era um mendigo, passando mal. Imediatamente, ministrei-lhe johrei. Depois de poucos minutos ele melhorou e levantou. Agradeci a Meishu-Sama e fui saindo, mas ele veio andando atrás de mim. Levei-o ao nosso núcleo, e enquanto lhe ministrava outro johrei, fiquei pensando: ”Ser mendigo não é a verdade do homem”... Então, falei: “Olha, procura outra pessoa como você, que está sofrendo, na rua, e volte com ela, para receber mais johrei, viu?” “Ele voltou mesmo. Ás vezes trazia um colega, ás vezes dois... vieram muitos. Depois de uma semana,casa. Enquanto isso ia acontecendo, as pessoas do bairro iam observando e a freqüência á Casa de Johrei ia aumentando. Com o tempo, aumentou muito! Teve época em que atendíamos de 400 a 500 pessoas por dia. Ás 6 horas da manhã já havia uma fila enorme. Ministrávamos somente cinco minutos de johrei em cada uma. Mas aconteciam muito milagres, viu? Tinha gente que chegava carregada e ia embora andando. Nem parávamos para comer. Alguém fazia “oniguiri” (bolinhos de arroz) e levava para nós. Enquanto ministrávamos johrei com uma das mãos, com a outra comíamos um ou dois “oniguiri”. Sem parar, direto ministrando johrei.

Foi assim que nasceu a igreja Tatuapé. Graças aos mendigos sabe?! E como havia milagres! O que mais vi na vida foram milagres do johrei! Um dia, por exemplo, uma pessoa veio aflita, me falando: “Sensei, vem aqui um pouquinho. Vem ver...” Na nave estava um rapaz quase nu, só com uma camisa amarrada nos quadris. Do seu corpo saíam pedaços de carne, que caíam. Parecia lepra. Ministrei-lhe johrei durante 30 minutos e ele foi embora. Depois de três dias uma mulher chegou à igreja, agarrou em mim, e não parava de falar: “Muito obrigada, muito obrigada!” E começou a chorar. O que foi senhora? Perguntei. “A senhora curou o meu filho!” Fiquei sabendo que se tratava daquele rapaz, que tinha sido desenganado pelos médicos do hospital onde esteve internado. ”Com certeza, voltando para casa, ele viu a porta da igreja aberta e entrou”, a mulher falou. 
Interessante é que nem o rapaz nem a mãe voltaram á igreja, mas Deus e Meishu-Sama têm seus propósitos. O fato foi muito importante para fortalecer a minha própria convicção no johrei. E outros milagres foram acontecendo. Uma coisa muito simples foi muito importante para eu me aprimorar na ministração do johrei. Meu marido (Ministro Uchio Taniguchifalecido em 1990) gostava muito de assistir filmes japoneses, e sempre trazia vídeos para vermos juntos. Num deles havia um personagem, calígrafo famoso, que não conseguia escrever “correnteza da água”, como desejava. O ateliê dele ficou cheio de papéis inutilizados, porque nenhum a caligrafia o satisfazia. Outro personagem, “Ieyassu Tokugawa, vendo aquela papelada, perguntou: O” que está acontecendo?”O pintor respondeu:” não consigo escrever “Correnteza da Água”, como quero!”Então, tokugawa falou: “Para escrever isso bem, você tem de entrar na água!”Ouvindo aquilo, eu disse: “Ah!... É isso! É assim com o johrei! Eu vou entrar em Meishu-Sama para ministrar johrei! E desde aquele dia, com a ministração de um só johrei todo mundo ia ficando bom.

Como fazer para entrar em Meishu-Sama?! Ah. É só tirar toda a força da gente e deixar Meishu-Sama atuar. Tirar à força mental, a força do braço, a força do apego, e ser só instrumento de Meishu-Sama. Não é fácil não viu?! Mas treinando, todo dia, consegue. Então, os milagres acontecem.

(Ministra Titohi Ogata Taniguchi)

  (Falecida)

Fonte: Jornal Messiânico
Ano: XXVIII – Janeiro/2000- N. 319 – São Paulo /SP.
(Igreja Messiânica Mundial do Brasil)




NA OBRA DIVINA NÃO EXISTE APOSENTADORIA 

Muitas pessoas falam que sou muito exigente quanto ao cuidado que se deve ter com o Ohikari e quanto á postura na ministração do johrei. Sou mesmo! Ensino que se deve ter o máximo de respeito para com o Ohikari, e não admito que ministrem johrei conversando, batendo papo. Imagina que há pessoas que ministram johrei mascando chiclete! Ah! Não permito isso, de jeito nenhum! Sabe por quê? Porque é através do Ohikari que podemos transmitir a Luz de Deus. Meishu-Sama confia que a pessoa que o recebe vai salvar muita outra, através do johrei. Ele confia a Luz de Deus ás pessoas que recebem o Ohikari, entende? Tendo essa consciência, fica mais fácil entregar-se a Meishu-Sama, como seu instrumento, para que os milagres aconteçam. É muito bom a gente ver que as pessoas se salvam, recebendo johrei.

Um dia, um amolador de facas passou na minha casa, perguntando se havia algum serviço para ele. Tínhamos, sim. Depois do serviço feito, desci para fazer-lhe o pagamento e vi, na companhia dele, um homem com um caroço muito grande atrás do pescoço. Perguntei o que era aquilo e ele disse: “Sangue sujo, dona” Então, buscou um banquinho e falei: “Senta aí, que vou lhe ministrar johrei” Depois de 30 minutos, disse que ele podia ir embora, mas que fosse á igreja. Não foi. Depois de alguns dias um homem foi á minha casa, querendo falar com a “Dona Batchan” Eu não estava. Então, ele pediu que me entregassem um presente que havia trazido para mim, pois tinha estado lá em casa (quando ouviu os meus netos me chamando: Batchan, batchan) e, no dia seguinte ao que eu tinha ficado com a mão estendida na direção dele, o caroço grande de sangue sujo, tinha desaparecido.

O presente que ele deixou para mim foi uma Bíblia Católica Coreana, muito bonita. Não sei o que lhe passou pela cabeça ao comprar tal presente, mas o que interessa mesmo é que ele se curou com o johrei! Ah! Essas coisas, só vivendo. Agora estou aposentada, mas como na Obra Divina não existe aposentadoria, continuo servindo muito a Deus e Meishu-Sama. Muitas pessoas vêm me procurar.

Um dia O Ministro Rubens Medeiros, responsável pela Igreja Pinheiros, me perguntou se eu poderia passar um dia inteiro lá, ministrando johrei. Fiquei muito feliz e respondi que sim. Ele selecionou oito pessoas para receber johrei comigo. Dentre essas pessoas havia um homem que estava cego. O médico lhe havia dito que não tinha qualquer condição dele enxergar novamente. Bom, do ponto de vista médico lhe havia dito que não tinha qualquer condição dele enxergar novamente. Bom, do ponto de vista médico pode não ter jeito mesmo; mas quem sabe, do ponto de vista de Deus tem?...Falei. Vamos experimentar?

Ministrei-lhe johrei durante 30 minutos e depois lhe dei uma tarefa: pedir perdão aos seus Antepassados, e pedir a Deus e Meishu-Sama a salvação deles no Mundo Espiritual. Falei: “Escreva o sobrenome dos seus pais e dos pais de sua esposa quatro troncos familiares. Coloque no Altar, faça oração, ofereça donativo. Todo dia, durante 21 dias. A pessoa perguntou: “Precisa colocar donativo?”Precisa sim todo dia, sem falhar respondi. Ele perguntou: Quanto? Fiz outra pergunta: “Se o Sr. voltar a enxergar, quanto vale isso?”Ah! Não tem preço. Foi o que ele respondeu. “Dá para o Sr. fazer um donativo diário de R$ 50,00?”Ele ficou pensando...” Não dá para fazer?”perguntei. “Eu dou um jeito...” Então, dá o jeito, faça tudo i que ensinei, entregue o seu problema a Deus e Meishu-Sama e aguarde. Em 21 dias ele voltou a enxergar.

A mesma orientação deu para uma mulher que tinha um problema tão sério no esôfago, que o médico disse que se ela não fizesse operação, morreria, mas que se fizesse , corria risco de vida também. A mulher considerou que, uma vez que corria risco de vida também. A mulher considerou que, uma vez que corria risco de qualquer forma, não faria a cirurgia. Como eu estava lá na Igreja Pinheiros o Ministro Rubens pediu que eu lhe ministrasse johrei. Aí. A mesma coisa... ”Tem de desatar os nós do passado,” pensei. E dei a mesma orientação. Ela também demonstrou certa resistência quanto ao donativo diário. “Se a senhora morrer, o que vai significar esse dinheiro, que ficará aqui?”, perguntei. Quando ela respondeu: “Nada”. “Eu disse: Então ofereça esse dinheiro a Deus Meishu-Sama pela salvação de seus Antepassados” Ela, também, depois de 21 dias, ficou boa. Depois, toda a família ficou feliz. Isso aconteceu em 1995.

Sou muito grata a Deus por ter-me colocado no caminho de Meishu-Sama.

(Ministra Titohi Ogata Taniguchi)

 (Falecida)



Fonte: Jornal Messiânico
Ano: XXVIII – Fevereiro/2000- N. 320 – São Paulo/SP.
(Igreja Messiânica Mundial do Brasil)





Nenhum comentário:

Postar um comentário