quinta-feira, 8 de novembro de 2012

O Sentimento com que devemos Sufragar os Espíritos dos Ancestrais


Culto aos Antepassados

O Sentimento com que devemos Sufragar os Espíritos dos Ancestrais
Acreditamos ou não na existência de Deus, comemoramos o nascimento de um novo ser e sofremos com a perda de outro. Este sentimento é comum a todos os seres humanos. A figura da mãe aconchegando seu filho enternece o coração de qualquer pessoa. 

Desde tempos remotos, seja no Ocidente ou no Oriente, essa imagem, usada como tema de quadros e esculturas, mostra nos como traz alegria o nascimento de uma criança e como os pais depositam nos filhos as suas esperanças, idealizando-lhes o destino. Se o nascimento de uma criança nos causa alegria, a perda de um ente querido nos causa tristeza. Suas lembranças envolvem o pensamento dos que ficam; estes supõem ouvir sua voz; um objeto de seu uso lembra seus dias, faz com que as pessoas o recordem com incontida saudade, e é comum o pensamento: “Que bom seria se estivesse vivo”! Segundo a Mitologia Grega Orfeu, músico, poeta e cantor lamentava tanto a morte de sua esposa que, querendo-a de volta foi ao seu encontro. 

A mitologia japonesa conta a história de um poeta que também amava demais sua esposa e depositou todo o seu sentimento e pesar neste poema: ”Toda vez que contemplo a ameixeira que plantaste com tanto amor, lágrimas escorrem a sufocar-me o coração”. Assim, quem quer que tenha perdido um ente amado cônjuge, pais ou filhos passam por uma dor tão profunda, que transpõe o tempo e o espaço. Entretanto uma vez tendo recebido a vida, o homem tem de morrer; é uma predestinação á qual ele não pode escapar. Ele sabe disso, mas não consegue esconder a sua natural tristeza em face da morte. 

Sobre o sentimento e a maneira de sufragar os Espíritos dos Ancestrais, Meishu-Sama nos ensina que o Culto realizado de coração alegra os espíritos, ao passo que o formal não; e que é importante realizá-lo ser realizado com magnificência, e com a máxima sinceridade, mas de acordo com a posição social de quem o realiza. Os budistas costumam praticar boas ações em prol da pessoa que se foi, realizando, em seu lugar, o que ela desejava realizar em vida, mas não conseguiu, ou que começou, mas não pode terminar. Entre essas boas ações, podemos citar o apoio dado á construção de templos, a doação de objetos e dinheiros á igreja, esforço em vivificar as qualidades do falecido através de práticas virtuosas. 

Atualmente, porém esses atos assumem, muitas vezes, um sentido puramente saudosista, tornando-se uma simples oportunidade para relembrar o passado. Um concerto antigo considerava que a vida e a morte pertenciam a mundos diferentes e que esta nos separava totalmente dos ancestrais. Entretanto, coisas misteriosas acontecem á nossa volta as quais não confirmam isso: um antepassado nos aparece em sonho; nosso filho consegue um emprego no aniversário do falecimento de um parente; pensamos numa determinada pessoa e a encontramos na condução. Experiências semelhantes estão sempre ocorrendo. Não teria esses acontecimentos algum significado? 

Certamente, pelo respeito aos nossos parentes e ás pessoas com as quais nós nos relacionávamos, realizamos com gratidão o sufrágio de seus espíritos. Mas a vontade dos ancestrais se manifesta invisivelmente em nosso mundo através de acontecimentos que ultrapassam os limites do natural; com isso sem dúvida, eles querem transmitir-nos alguma coisa. Sendo assim, precisamos conhecer o verdadeiro significado da vida e da morte, e a relação entre o Mundo Material e o Mundo Espiritual. 


Através dos Sufrágios os Ancestrais elevam sua posição no Mundo Espiritual 


Mesmo antes do surgimento das religiões tradicionais, o homem tem cercado seus ancestrais de profunda consideração. Somente os que não têm fé e nada sabem sobre o assunto é que se negam a aceitar esse vínculo com os ancestrais, deixando de refletir mais detidamente sobre a organização do universo. 

Na época atual, o sufrágio aos mortos é um costume muito enraizado na sociedade; porém como as pessoas que o entendem em profundidade são em menor número, é provável que, na maioria das vezes, ele tenha um caráter meramente formal ou saudosista. Os Japoneses têm o hábito de sufragar os espíritos não apenas pelo sentimento de amor, carinho e respeito, mas acreditando que o sufrágio feito de todo coração evita sofrimento para os ancestrais e os ajuda a viver em paz e felicidade. 

Na China e na Índia, também existe este conceito sobre os ancestrais. Na China, segundo o pensamento “Ko-o” (sentimento de amor, respeito e dedicação aos pais) que caracteriza a doutrina de Confúcio, devemos servir aos nossos pais não só durante sua existência terrena, mas também quando estiverem no Mundo Espiritual; por isso, o Ofício Religioso de Assentamento e Sagração dos Ancestrais é considerado muito importante. Na Índia, segundo o pensamento “Tyu-in”, os pais ao morrerem, ficam num Mundo Nebuloso, interregno entre o Mundo Material e o Mundo Espiritual, só depois que os filhos realizam o Ofício Religioso de Assentamento e Sagração dos Ancestrais é que eles se tornam Ancestrais. 

Meishu-Sama nos fala sobre este assunto: “Se os parentes, amigos e conhecidos lhes oferecem Cultos após a morte, Cultos feitos de coração, com toda a sinceridade ou somam méritos e virtudes praticando o bem, fazendo feliz o próximo, a purificação do espírito desencarnado será acelerada. Por essa razão, a dedicação aos pais, a fidelidade ao cônjuge etc.; aqui no Mundo Material, revestem-se de grande significado mesmo após a sua morte, e eles ficam muito contentes com os cultos feitos em sua memória. 

Os ancestrais esperam que seus descendentes pratiquem boas ações e sufraguem seus espíritos. Todavia, se os descendentes não se esforçarem muitas vezes, eles podem aparecer-lhes em sonho para transmitir-lhes suas dificuldades, ou então, fazem acontecer fatos estranhos para mostrar que estão sofrendo e comunicar seus desejos. Todas as coisas existentes no mundo têm espírito e unidos pelos chamados elos espirituais, influenciam-se mutuamente. É estes elos que, mesmo depois da morte, unem os habitantes do Mundo Espiritual ás pessoas deste mundo fazendo com que ambos se relacionem permanentemente. A elevação do espírito é algo que os olhos humanos não podem perceber. Existem grandes diferenças entre aqueles que na vida acumularam virtudes, recebe de Deus magníficas vestes, bela moradia e alimentos fartos, tornando-se habitante do Plano Superior, ao passo que o espírito que acumulou muitas máculas, não tem liberdade, ficando confinado no local do seu aprimoramento. 

Não podemos afirmar que, dentre os novos inúmeros ancestrais, não haja os que sofrem no Plano Inferior. Eles, obviamente, desejam elevar-se mais rapidamente e atingir um nível melhor. Por obra de Deus e dos nossos ancestrais é que estamos agora neste mundo, manifestando a ambos nossa profunda gratidão, estaremos correspondendo aos seus desejos. Essa é a missão do homem a qual não deve limitar-se aos nossos pais, mas estenderem-se aos nossos avôs, bisavós e assim por diante. Vejamos com detalhes, qual deve ser a nossa parte para correspondermos no desejo de nossos ancestrais. 

Meishu-Sama nos ensinou que o Mundo Espiritual é também o mundo da vontade e do pensamento. Assim, mantendo um sentimento correto, devemos em primeiro lugar, oferecer aos nossos ancestrais um culto no seu aniversário de falecimento e outros, como o Culto em Sufrágio dos espíritos, e fazer com todo amor as orações diárias no lar. Quando oramos juntos, pela beleza do espírito das palavras da oração proferida estamos purificando os ancestrais e a nós mesmos, que a entoamos. Mesmo sem o corpo físico, eles se alegram com os alimentos que lhes oferecemos, os quais representam a expressão do nosso amor; mas precisamos ter sempre em mente que isso só não basta para expressarmos todo o nosso sentimento. 

É de primordial importância termos a Imagem da Luz Divina em nosso lar, a qual possibilita graças não só para nós como também para nossos ancestrais, e do Altar dos Ancestrais. Procedendo assim, eles ficarão muito mais felizes, recebendo poderosa luz. Eles desejam que abracemos uma religião de verdadeiro poder; que, através da oração a Deus, recebamos luz e que, seguindo os ensinamentos recebidos e esforçando-nos na Prática do Amor Altruísta, nos purifiquemos e levemos nosso espírito. Através dos elos espirituais, nossa elevação se refletirá sobre nossos ancestrais e estarão a um nível mais elevado. 


Os Sufrágios permitem aos Ancestrais servir no Mundo Espiritual 


O ancestral que esta em nível inferior no Mundo espiritual antes de se esforçar para servir na obra de Deus, pensa primeira em ser salvo e, por esse motivo, fica apegado aos descendentes. Aquele que habita o Plano Superior no Mundo espiritual, está em plena atividade na obra de Deus, que é a obra de salvação. Quando o ancestral se eleva e passa a trabalhar com mais afinco, mais nos auxilia em nossas atividades deste mundo; o nosso servir dá bons frutos e contribui eficazmente para a realização do Plano de Deus. Vemos aí a importância de sufragar os espíritos dos ancestrais. 


Os Ancestrais nos Protegem 


No Ensinamento intitulado “Os Três Espíritos do Homem”, Meishu-Sama nos explica a função exercida pelos ancestrais. Além desses dois espíritos: Primordial e Secundário existe o Espírito Guardião. É o espírito de um ancestral. Quando uma pessoa nasce, é escolhido entre seus ancestrais um espírito que recebe a missão de guardá-la. É muito freqüente, diante de um perigo, o homem se salvar miraculosamente, sendo avisado em sonho ou tendo um pressentimento. Isso é trabalho do Espírito Guardião. No caso de querer graças através da fé, Deus atua por intermédio do Espírito Guardião. Os antigos provérbios: “A verdadeira sinceridade se transmite ao céu” ou: “A sinceridade se transmite a Deus, “significa a concessão das Graças Divinas através do Espírito Guardião. 

Assim, os ancestrais escolhidos como Espíritos Guardiões ficam junto aos descendentes, protegendo-os contra os perigos e procurando fazer com que eles levem uma vida correta. Exemplos como estes são comuns: uma pessoa que ia pegar um trem destinado a sofrer um acidente, lembra-se de que precisa telefonar, desce na próxima estação e sai ilesa. Outra, pensando em abrir uma loja e recebe proposta ajuda provém da interferência do Espírito Guardião. O Espírito Guardião, purificando-se e galgando níveis mais elevados no Mundo Espiritual, terá mais facilidade para nos proteger e nos encaminhar corretamente; estando num nível inferior, mesmo que o deseje, não terá forças para tanto. 

Tudo o que fazemos pensando nos nossos ancestrais, proporciona a elevação de seu nível espiritual, e o nível mais alto lhes dá maior força para nos proteger. Esse trabalho em conjunto dentro da Obra Divina reverterá em felicidade para nós e para eles. Se tudo ocorre primeiro no Mundo Espiritual é lógico que a nossa felicidade e o nosso êxito na missão que temos de cumprir no Mundo Material, são reflexos do trabalho realizado por nossos ancestrais no Mundo Espiritual. 

Portanto, é incorreto pensar em nossa felicidade esquecendo-nos deles. Eles amam seus familiares e estão ansiando pela nossa felicidade. Se obtivermos Bênçãos Divinas, bem como a nossa elevação Espiritual e Material graças aos ancestrais, quer dizer que estamos sempre juntos. É certo que o nosso servir e a nossa participação nos cultos também são realizados em conjunto com eles, isto é o Mundo Espiritual e o Material é como espelho, podendo-se dizer que tanto eles como nós temos um destino único e igual. Os ancestrais nos protegem e nós, orando por eles, nos elevamos; o nosso lar é salvo e, melhorando o nosso destino, podemos ser mais úteis na missão de construirmos o Paraíso Terrestre. 


Santuário dos Ancestrais 


A Igreja Messiânica Mundial estabeleceu o Santuário dos Antepassados no Solo Sagrado do Japão. No Brasil, construímos o Santuário dos Antepassados no Solo Sagrado, inaugurado em 1995, para que os ancestrais dos membros que já realizaram o Ofício Religioso de Assentamento e Sagração dos Ancestrais possa viver feliz no Mundo espiritual, recebendo a luz protetora de Deus. 

Até hoje, foram assentados mais de um milhão de ancestrais, incluindo a própria família do fundador da igreja; as famílias dos messiânicos pioneiros, os ancestrais dos membros tiveram ligação. No Santuário dos Ancestrais, são realizados respeitosamente, ofícios diários acompanhados de oferendas, além dos diversos ofícios mensais. Todos os anos, juntamente com o Culto Mensal do mês de julho, a igreja realiza o Culto dos Antepassados no Solo Sagrado do Japão e, no Brasil no dia 02 de Novembro. No Japão, acumulado com o Culto Mensal de Agosto, é realizado o Culto pela Paz mundial e o Ofício Religioso em Sufrágio das Vítimas de Guerra que, em nome da Paz, ofereceram suas preciosas vidas pelo bem de sua pátria e de seu povo. 



Fonte: Livro/ Sorei- Saishi (Culto aos Antepassados)
Edição: Fundação Mokiti Okada – M.O. A
1edição/Novembro/1997 – São Paulo/SP. 

Site: www.messianica.org.br
(Igreja Messiânica Mundial do Brasil)




Sorei-Saishi – Culto aos Antepassados 


(Passo a Passo) 

Como surgiu o Sorei-Saishi

*Na época de Meishu-Sama, o Culto aos Antepassados era realizado diante do Butsudan (Oratório Budista dos Antepassados). 

*Após a ascensão de Meishu-Sama, o Culto aos Antepassados Membros, passou a ser realizado no Nikoden, em Hakone. 

*Contudo, cada vez que se realizava esse Culto, o estado de ânimo e a saúde de Nidai-Sama se alteravam. 

* Ela então intuiu, que após o Culto, muitos espíritos não iam embora e se assentavam sobre ela, causando-lhe alterações. 

* Em decorrência disso, passou a ficar clara a necessidade de se construir, o Santuário dos Antepassados, onde eles pudessem se assentar. 

*Em Outubro de 1958, o (Soreisha) foi concluído e nele passou a ser realizado o Culto aos Antepassados. 

*Mais tarde, foi construído um novo (Soreisha) no Solo Sagrado do Brasil. 

*Atualmente, os Cultos solicitados pelos Membros do Brasil, são realizados tanto no Santuário dos Antepassados de Guarapiranga como no Santuário dos Antepassados de Atami (Japão). 


Assentamento 


*Preencher a Ficha das linhagens familiares. 

*Apresentar a Ficha preenchida ao Sorei Saishi, que definirá quais as linhagens que devem ser cultuados. 

*Em seguida o Sorei – Saishi prepara a Tabela Anual de Cultos. 

*A Tabela tem por finalidade distribuir as Linhagens Familiares ao longo do ano, de forma a cultuar apenas uma linhagem em cada mês. 

*Devem ser assentados no Sorei-Saishi, somente os espíritos dos parentes mais próximos. 

Avós (Extensivo aos do Cônjuge) Pais/Sogros, Irmãos, Filhos/Netos 

*É importante manter o Sorei-Saishi compacto. 

*Caso contrário, a realização dos Cultos Subseqüentes se tornará um peso para o Membro. 


Shinrei-Saishi 


Assentamento de Espíritos de Pessoas Recém-Falecidas 

*O assentamento dos Espíritos de Pessoas Recém-Falecidas, deve ser solicitado imediatamente após a ocorrência do falecimento e enviado a Sede Central via fax. 

* Na Sede Central, o pedido é processado e enviado ao Solo Sagrado, que providencia o imediato assentamento do Espírito. 

Além de assentar o Espírito, a Sede Central também prepara os pedidos para os Ofícios religiosos de 10, 20, 30,40 e 50 dias de falecimento. 

*Após o Ofício Religioso de 50 dias de falecimento, o Espírito já está na condição de Antepassado. 

*Portanto o Ofício Religioso de 100 dias de falecimento, não está incluído no Shinrei-Saishi. Ele deve ser solicitado pelo membro, com o título de Nensai de 100 dias. 


Cultos Subseqüentes 


*As linhagens selecionadas na Ficha das Linhagens familiares devem ser cultuados anual, ente, sempre no mês constante na: Tabela Anual de Cultos. 

*Os Espíritos devem ser cultuados apenas nos aniversários que corresponderem a um Nensai (100dd,1, 2, 3, 4,5,10,15,20,30,40,50 e a cada 50 anos). 

*Podem ser realizados Cultos para Espíritos fora das datas de Nensai, sempre que o Membro solicitar o Culto com atraso. 

*Neste caso, o Nensai atrasados transforma-se em Ireissai. 

* De uma forma geral os Ireissai de Espírito poderão sempre ser aceitos desde que haja um motivo que o justifique. 

*Mas não podemos esquecer, que devemos nos desapegar dos Espíritos dos nossos Antepassados, para que eles possam bem cumprir suas missões no Mundo Espiritual. 


Gratidão 


*Todos os Membros com Sorei-Saishi, devem ter em suas casas uma cópia da Tabela Anual de Cultos. 

*Ao Início de cada mês, a Tabela deve ser consultada, observando se quais os Cultos que devem ser realizados. 

*Determinado o Espírito ou Linhagem que será Cultuado, é preciso que o Membro se prepare para realizar o Culto. 

*A preparação consiste em imaginar o Espírito, imaginando um presente que o fizesse feliz. 

*Tudo se passa como se o Espírito estivesse vivo e fossemos convidados para uma festa comemorando seu aniversário. 

*Basta agora então ir ao comércio e apressar o valor do Presente. 

*Finalmente com o valor do Presente no bolso, dirigir-se ao Sorei-Saishi e solicitar a Emissão do Pedido de Culto. 

*Logo após ter sido solicitado o Culto, colocar a importância relativa ao valor do presente no Envelope de gratidão do Sorei e depositá-lo na urna. 

*Ao colocar a Gratidão na urna, imaginar o Espírito e lembrar que aquela gratidão representa o presente que escolhemos. 

*A Gratidão serve também para arcar os custos de manutenção da equipe que oficia os Cultos no Solo Sagrado e os custos dos diversos tipos de alimento que são oferecidos durante os cultos. 




Fonte: Liturgia da Igreja Messiânica Mundial do Brasil 

(Setor do Sorei-Saishi) 








Nenhum comentário:

Postar um comentário